Nas discussões acerca do uso dos laboratórios de informática nas escolas, acrledito que este não pode ser um local onde os alunos são “empurrados” pelo(a) professor(a) da disciplina, que então utiliza esse tempo livre  para atualizar notas, ler seus e-mails, fazer outras atividades, inclusive fora do laboratório, o que inclui bater papo com as colegas, tomar chimarrão e tal. Já fui monitor de laboratório e sei que, como colocas, os professores acabam ‘deixando o trabalho’ para o professor do laboratório. l

Esquecem, esses professores, que os computadores são apenas ferramentas e que, sem intenção pedagógica, levar os alunos ao laboratório ou deixá-los ir para casa ou liberá-los para brincar no pátio tem quase o mesmo efeito. Lamentável verificar que existem colegas de profissão que, havendo uma chance, se omitem tanto da tarefa de ensinar quanto da proveitosa experiência de acompanhar o aprendizado e até aprender junto com seus alunos.

Acredito que o uso do laboratório de informática se justifica justamente na  convergência de saberes, inicial e previamente trabalhados em sala de aula, na biblioteca, no laboratório de ciência, na educação física, etc, e complementados no laboratório de informática, com o uso das hipermídias e da autoria para pesquisar, confirmar, organizar, padronizar, debater e divulgar os temas elicitados.

O responsável pelo laboratório tem o saber técnico, o professor o saber científico específico e os alunos, quando estimulados, entrariam com  a indispensável e prodigiosa curiosidade, da qual provém todos os grandes avanços humanos, incluindo aí a própria internet.